benjamin-teixeira

O Fenômeno Extraordinário e a Celebração de 15 Anos do Programa Salto Quântico e o Surgimento Oficial da Rede Salto Quântico de Televisão. 
por Benjamin Teixeira.

Apesar de conhecer Eugênia – Espírito de escol que dirige minhas tarefas ante a coletividade –, há 21 anos (idade do Instituto Salto Quântico, pois que a primeira aparição d’Ela marca, para mim, o início da história de nossa organização: julho de 1988), e estar trabalhando com Ela, sistematicamente, há 18 anos, posso dizer que ainda me assombro, ante a maravilha ímpar de se obterem, continuamente, provas da imortalidade da alma, através de interações psíquicas com Ela e Seus Companheiros de ministério espiritual, algumas das evidências acontecendo em situações inusitadas que, volta-e-meia, me ocorrem, nas atividades de porta-voz d’Ela e de Seus Amigos do Domínio Excelso de Vida. 


Todos os dias, em incorporações cada vez mais vívidas, Eugênia passa informações completamente fora do espectro do meu conhecimento, sobre intimidades dos próprios destinatários, os felizardos que obtêm permissão a estar em minha casa ou nas reuniões mediúnicas de que participo, pasmando e emocionando a todos, com a prova inconteste da imortalidade do espírito que todos somos, em última essência. Além dos dados pessoais de caráter íntimo, que parece ser o mais assombroso do fenômeno, mas não é (mesmo!), notam-se a sabedoria de todo transcendente e a vibração de amor arrebatadora, que nos faz ter a impressão de que o Céu despencou sobre a Terra, provisoriamente. Os que presenciam, dizem, amiúde (muitas vezes os veteranos, e não só os neófitos): “Meu Deus! Isso existe? Ainda bem que as pessoas não sabem que isso existe! Seria cruel demais saberem e não puderem usufruir…” 


A conseqüência? Para mim e os que estão mais próximos deste núcleo de atividades transcendentes, esta tarefa de contactar e servir o Plano Sublime de Consciência constitui nossas vidas, nosso hálito para viver. Tudo empalidece de importância e proporção, quando ouvimos e sentimos a Presença dos Imortais Iluminados. Nada pode dar mais significação e propósito para a existência, do que servir a estes Seres Superiores que se dignam, misericordiosamente, a se comunicar com o plano físico de vida, transmitindo-nos informes seminais, a esclarecer-nos – com absoluto respeito pelo livre-arbítrio e opiniões pessoais -, quanto aos melhores meios para se otimizar o aproveitamento da vida humana, em todos os sentidos, sem nenhum conotação de castração ou proibição moralista, propiciando-nos desfrutar de um  nível de lucidez e felicidade completamente fora dos padrões de nosso globo. 


Houve um episódio digno de nota, a meu ver, no fim da palestra deste último domingo. A nobilíssima orientadora desencarnada pediu-me, à distância (por um sistema semelhante ao que seria um chip de vídeo-celular implantado no interior do cérebro) que descrevesse alguma coisa do que ocorria no próprio ambiente “psíquico” do auditório da Sociedade Semear, onde atualmente realizamos (minha equipe e eu) as reuniões domingueiras da instituição. Minudenciei, então, alguns aspectos da dimensão extrafísica do local, pontuando o gênero de sofredores desencarnados, bem como de socorristas do Plano Sublime que se faziam presentes. Feito isso, Eugênia solicitou-me recebesse insuflação psíquica do Espírito Gustavo Henrique – o sacerdote-psicológo brilhante em recomendações morais, como em narrativas coloridas de emoção e originalidade que trabalha comigo desde 1994 –, para que lhe comunicasse uma mensagem à platéia presente.


Comecei a sofrer a influência da venerável figura paterna, de feições nobres, estatura média e cabelos nevados, e minha voz desceu o tom, para um diapasão grave, na típica indução psicofônica do sereno, pausado, circunspecto e amoroso beletrista desencarnado de nossa organização.  Gustavo Henrique, diferentemente de Eugênia, estava ao meu lado (pouco para trás, em posição oblíqua a mim). Poucos instantes depois, porém, eis que vejo Eugênia, ainda por meio da visão à distância, movendo a cabeça, musculatura do rosto e dos lábios, em típica condução psicofônica… e… zás! Surpresa para mim!: o texto que Gustavo me passava era proveniente d’Ela! (ele também estando em transe, sem que eu me houvesse dado conta disso antes). Num espaço de alguns segundos, à medida que as frases do discurso eram proferidas, por meu intermédio, e que a incorporação progredia, minha voz e gesticulação sofreram forte modificação, até que o perfil psicológico de Eugênia surgiu, ante os que lotavam a Semear, deixando a todos igualmente pasmos, com o óbvio processo de enxertia mental que a sábia-santa levava a efeito, sobre o psiquismo de Gustavo Henrique, fazendo desaparecerem ambas as personalidades: tanto a minha, como a do mentor respeitável, para assumir a condução da fala medianímica, de modo absoluto. Creio que seja dispensável dizer que a emoção foi geral.


Pois é. Desta vez não só será possível…  a fabulosa alma de Eugênia GARANTIU que voltará a se manifestar, diretamente, ante os que se propuserem a estar presentes, na reunião pública deste domingo, em função da celebração de 15 anos de lançamento de nosso programa de TV, a pedido d’Ela mesma, aos 22 de janeiro de 1994. Neste próximo domingo, 25 de janeiro – ainda que em plena prévia carnavalesca sergipana (temos percebido, no correr dos anos, que estes eventos favorecem manifestações mediúnicas do Plano Superior de Consciência, porque atraem, para o apinhado popular, toda ordem de forças contrárias ao Bem) – estaremos, com sobriedade, mas muita alegria, confraternizando, em função da efeméride especialíssima de nosso (nos dizeres da mestra) “colégio de almas irmãs”, na própria reunião “hebdomadária” (para também fazer uso de outro termo clássico, lançado por Eugênia, em sua última explanação pública, impecavelmente castiça no uso de nosso idioma) do Salto Quântico.


O programa que Eugênia pediu fosse criado é hoje o mais antigo da televisão brasileira, na temática da Espiritualidade, no ar, ininterruptamente, há 3 lustros. Já foi transmitido em duas redes nacionais de televisão (Rede Brasil-TVE e CNT), nos Estados Unidos, numa TV a cabo do Estado de Connecticut (durante mais de um ano, 1997/1998), e toma agora uma rota totalmente modificada, após longa planificação estratégica dos mestres do domínio extrafísico de vida, com destaque à internet e a emissoras abertas, isoladamente contactadas (entre outros recursos de divulgação e expansão que não cabem aqui ser destrinchados), num “reinício da máquina”, como a Emissária de Maria nos asseverou, no domingo passado, para que “sejam eliminados os resíduos culturais e metodológicos de comunicação de massa peculiares ao século XX, ainda existentes nas diretrizes e procedimentos de comunicação e publicação de nosso instituto”, de modo que nos preparemos para as novas etapas de realização projetadas, para nossa organização-educandário, a terem começo efetivo no início da próxima década. Tudo que foi feito até agora – como asseverou, em assembléia com seus co-mestres do Domínio Superior de Consciência –, constituiu, tão-só, preparação para o que está por vir, muito embora já tenhamos realizado muita coisa importante, até a presente data, em dois decênios de atividades ininterruptas, na imprensa, na publicação de livros, em palestras no país e fora dele, em contatos pessoais que atingiram, todas estas frentes, somadas, alguns milhões de pessoas. Assim, nesta nova fase, deixamos de estar em redes de televisão, para começarmos a formar, de modo não-convencional, a partir do nosso QG, em Aracaju, a Rede Salto Quântico de Televisão.


São 15 anos de uma obra desta envergadura, um projeto no mínimo ousado – já que tudo tem acontecido a partir de uma capital de expressão média, do Nordeste brasileiro, e não de um grande centro cultural do país: o que muito enfaticamente prova, da minha perspectiva de entendimento, a Influência Superior sobre esta iniciativa, e não merecimento ou louvor que possam ser atribuídos a mim ou a meus amigos-irmãos de ideal, embora muito agradecido seja pelo apoio prestado, no correr destes anos, por um grupelho seleto de devotíssimos auxiliares, fazendo destaque, atualmente, aos irmãos do espírito, queridíssimos e diletíssimos: Maisa Marante, as irmãs Aline e Úrsula Rangel, Delano Mothé, o casal Paulo Soares e Priscila Teixeira, o casal José Sobral Filho e Ângela Novaes, as profissionais da comunicação Thaïs Bezerra, Cristiane Carmelo e Michelle, o casal Wilhermando e Milena Orico, as irmãs Ana e Élida Sá, mãe e filha Dorinha e Lavinia Teixeira, as irmãs Vanailde e Vandinar Mendonça, os irmãos Fábio e Leonardo Aragão, Danilo Mont, o casal Marcone e Luciana Vieira, o casal Hilton Rocha e Marilda Uchôa, o casal João e Mônica Rollemberg, Lucivanda Lima e Wagner Mendes, que capitaneiam, a maior parte deles, segmentos que compõem de alguns colaboradores devotíssimos a dezenas de abnegados voluntários, que não seria cabível citarmos aqui, embora todos merecessem ser enumerados (*).


É curioso como a vida deles e dos que mais se empenham por colaborar com as realizações de nossa instituição, dão saltos de qualidade, sabedoria, lucidez e felicidade, à proporção que os anos passam (tanto maiores estes resultados positivos, quanto mais próximos e empenhados são do vértice central do Salto Quântico). É um visível efeito do princípio de justiça e compensação espirituais que premia os que perseveram – metade deles há mais de dez anos conosco (alguns há 15!) –, porque, sem dúvida, constitui um crivo difícil – poderíamos mesmo chamar de peneira psíquica indefectível – que faz com que permaneçam apenas aqueles que ultrapassam (porque aprovados em) testes de disciplina, desinteresse e idealismo. Por conta deste filtro psicológico sui generis, já ouvi, inúmeras vezes: “Nossa! Que amigos especiais você tem!” Sim… mas não porque eu tenha alguma virtude especial para tanto, e sim por causa da Vibração Magnífica de Eugênia e Seus Companheiros de Trabalho. O progresso deste efeito, por isso mesmo, continua; de modo que, a cada ano, esta peneira de Deus faz com que sejam mais especiais estes irmãos de ideal, em torno do eixo de nosso núcleo de trabalho, ou que fiquem os mais especiais entre eles… Graças a Deus, porque, afinal de contas, a obra é d’Ela – o glorioso Espírito Eugênia – e de Nossa Mãe Maior, Maria Santíssima, que está por detrás do querido guia-Mulher do Salto Quântico.


Com isso, não pretendo dizer que os que não permaneceram sejam pessoas menos boas. Muitos que estiveram conosco, inclusive, fundaram instituições com excelentes serviços prestados, vários ainda as dirigem (organizações de natureza espírita ou congênere – 7 até agora, já brotaram a partir de nossa Casa). Apenas têm perfis psicológicos que não condizem com o nível de tensões emocionais e responsabilidades coletivas com o país inteiro, com que lidamos, dia a dia, bem como com o quadro principiológico desafiador e revolucionário de propor a ruptura sistemática de todos os paradigmas limitantes, como de preconceitos sufocantes, mantendo fidelidade a uma base cristã e finalidades espirituais, sem qualquer filiação partidário-religiosa, como nos definimos, na condição de uma academia de pensamento espiritual e não propriamente de mais uma casa de dogmatismo e sectarismo, contrários à genuína vocação da Espiritualidade: libertação de todos os atavios, abarcando os de caráter religioso, e busca da plenitude, além de todos os “ismos”, de todas as fronteiras raciais, nacionais, culturais, sexuais, científicas, filosóficas e, como dissemos, religiosas.


Obviamente que não me refiro aos caluniadores que toda obra de vulto inspira. Já se sabe o que entrevistadores dos departamentos de Recursos Humanos das empresas informadas e atualizadas, responsáveis pela contratação de candidatos a ocupar funções, em suas engrenagens de trabalho, são orientados a formar: uma clara conclusão a respeito de quem chega falando mal de instituições ou pessoas com quem trabalharam em empregos ou atividades anteriores – a de que portam mau caráter e devem ser descartados, imediata e sumariamente, da possibilidade de serem contratados, não importando quantos mais atributos positivos apresentem, para preencherem os requisitos do cargo a ser assumido. Assim, nos eximimos de tecer qualquer comentário sobre nossos detratores, a não ser estranhar que os que ficaram conosco sejam sempre os mais lúcidos, os mais amorosos e generosos, e, paradoxalmente, também: os mais críticos (porque também auto-críticos), inteligentes e maduros (porque também sábios e auto-conscientes e não só inteligentes), e, por fim, o elemento que eu mais aprecio: os mais mentalmente sãos e felizes! 


Em outras palavras: quem está muito focado no interesse pessoal ou quem não apresenta preparo intelecto-moral, para apreender a extensão complexa e melindrosa de proposições vanguardistas da sapientíssima e santíssima Eugênia, não “agüenta o tranco” – como se diz no vernáculo – sendo muito natural que ocorresse seu afastamento. O ego e seus mecanismos de defesa, porém, impedem que muitas delas (a esmagadora maioria, é claro) enxerguem em si mesmas a falta, e, pelos famigerados processos de racionalização e projeção psicológica, quase sempre inconscientes, constroem justificativas (principalmente para si mesmas) de estarem certas e nós errados. É de pasmar isso? De forma alguma. Sejamos bem vindos à Terra! Como disse Jesus, devemos agradecer quando ataques injustos acontecem, sobremaneira os que tomam feição religiosa e moralista (o Cristo foi perseguido e morto por autoridades religiosas de seu tempo): é sinal de que estamos no caminho da Luz. Seria de nos fomentar preocupação se não fôssemos caluniados – isso indicaria estarmos em sintonia com o padrão evolutivo médio do globo, ainda regido por inteligências tenebrosas da outra dimensão de vida e por comunidades e agências criminosas por elas mantidas, que inspiram personalidades menos maduras, encarnadas, a agirem de forma indevida, a prejuízo delas mesmas – as primeiras a sofrerem o efeito terrível, já nesta mesma existência, do carma medonho de estarem se colocando contra uma obra de Deus no plano físico de Vida (outro assunto em torno de que prefiro, enfaticamente, evitar tecer qualquer ordem de comentário). Quantas bênçãos e graças, em contrapartida, para os que respeitam, cooperam e se dedicam à Nossa Causa, que não é nossa, mas do nobilíssimo Espírito Eugênia e de Nossa Sacratíssima Mãe Maior, Maria de Nazaré. 


Seja bem vindo. O magnífico Espírito Eugênia, que foi a filósofa da Grécia Antiga Aspásia de Mileto e a vidente-santa Bernadette Soubirous, grande avatar-bodhsatwa que se esforça por se manter nas circunvizinhanças vibratórias do plano material de vida, em nosso planeta, para favorecer a catálise do crescimento psico-moral, da cura e da felicidade, em todos os sentidos, dos que desejarem ser por Ela abençoados, em sua magistral Filosofia Espiritual da Felicidade, estará conosco, em comunicação direta, neste dia de comemoração especial, ao fim da palestra de domingo, 25.


Este dia festivo de celebração é uma boa data, seja para você nos visitar a primeira vez ou retornar, depois de um período de distanciamento (bem comum o absenteísmo e a deserção em atividades realmente ligadas à Luz, neste mundo de trevas, pelos motivos supracitados), para que juntos nos coloquemos sob o Manto Protetor da Sagrada Mãe Coletiva do Orbe, a Mãe de Jesus, e nos sintamos em conexão e comunhão com as Fontes inexauríveis de suprimento, motivação, sabedoria, amor e felicidade para a Terra!


Seu irmão em ideal cristão e espiritual,


Benjamin Teixeira.
Aracaju, 21 de janeiro de 2009. 

(Mais informações sobre este evento, nossa instituição ou minha pessoa, pelo telefone: 3041_4405 ou pelo site:www.saltoquantico.com.br)



(*) Peço desculpas por não citar a falange completa dos colaboradores de nossa organização, para não cansar os leitores, em vista de ser imensa. Citamos apenas os que são responsáveis por departamentos do instituto ou que mais contribuem, por seus esforços ou recursos, de modo mais substancial, para o andamento e materialização da obra de nossa mestra Eugênia na crosta da Terra.


(Nota do Autor)