http://sq.imagens.s3.amazonaws.com/1205-Maio/Benjamin-PGM.jpg

por Wagner de Aguiar.

Uma declaração recheada das mais evidentes projeções psicológicas!
Seus olhos vêem em seus amigos mais próximos os nobres traços que o caracterizam, na verdade;
Seu espírito devotado, que inspira pelo exemplo, não economiza nas palavras para agradecer àqueles que, na verdade, devem-lhe muito mais;
Sua alma nos contagia de força e coragem;
Suas palavras abrem de janelas a horizontes;
Seu olhar nos acorda,
Sua mão nos acolhe,
Seu coração persiste,
Seu verbo quebra grilhões,
abre cadeados,
destranca portas.
Nossos pulmões pela primeira vez respiram ar,
Nossos olhos enxergam,
Nossa voz ressoa,
Mas o cordão umbilical é com Deus-Mãe, e o Elo com Ele-Ela é você, tão Amado, que levanta-se todos os dias lembrando-se de nós, como se fôssemos únicos em teus braços.
Sou testemunha direta dos atos de cada minuto de sua abnegação, do esquecimento de si mesmo porque, ao seu alcance, vê uma chance de ajudar.
Não me considero digno nem da décima parte de suas palavras, porque, das que venham corresponder à realidade, frutos são de sua presença em minha vida, Divina Enxertia de Amor e Felicidade, personificadas em você!
Deus lhe pague, Amado!
Que um dia eu seja essa pessoa que você idealizou em seu texto, porque, aos meus olhos, parecia me ver falando de você!

(Texto redigido em 7 de maio de 2012).

(*1) Esse texto constitui uma resposta ao tocante artigo que Benjamin dirigiu em parte a mim, hoje no site do Instituto. Não poderia deixar de ser assim! Ele transforma cada uma de suas experiências em aprendizados para todos, o que nos faz lembrar de que só temos valor para Deus quando engajados em uma Causa maior. Peço que assim vejam suas generosas palavras, não como enaltecimentos personalistas (que sequer lhes são típicos), mas como “cabides” para os assuntos intemporais que ele desenvolve adiante, estes sim dignos de serem levados em conta (me permitam reiterar o óbvio, para não dar espaço a interpretações outras, e para tranquilizar-me perante minha consciência, no exercício de manter-me vigilante para os artifícios do ego, sempre à espera de uma oportunidade para julgar-se portador de valores que não possui).

(*2) Aproveito o espaço para fazer eco à fala de nossa querida Aline Rangel, no artigo que tenho o prazer de ser “vizinho” aqui no Blog (não por acaso, certamente – e não perderia a oportunidade de comentar sobre isso), a respeito do valor inestimável da presença dele entre nós, das bênçãos que recebemos por estarmos sob a Tutela Divina dos Cristos que amparam esta Casa. Empolgante! Para tanto, basta que cliquem aqui.